" />

março 02, 2007

Inimaginável

Tive hoje um almoço memorável, do meu "bando dos 4". Não foi em nenhum restaurante de luxo (preço médio de 20 euros, sem vinho), mas também não é tasca sem qualquer obrigação. É concessionário de um dos mais agradáveis espaços verdes de Lisboa, na zona do Restelo. A cozinha é vulgar mas o que merece descrição é o serviço. O couvert, nem sim nem sopas. Pão de qualidade honesta, uma pasta de caranguejo razoável, azeitonas verdes bem temperadas, mas tudo com manteiga de pacotinho e com um queijo curado de ovelha que vinha inteiro e sem uma faca adequada para o cortar. Veio o empregado, jovem e simpático, receber a encomenda (a partir de uma lista não entusiasmante, mas aparentemente honesta) e aí é que começou o descalabro.

Só uma pessoa é que quis sopa, mas veio tudo ao mesmo tempo, a sopa para ela e o prato para os outros. Entre amigos, ela insistiu em que fôssemos comendo. E tudo trocado, ou porque o jovem se esqueceu ou porque o cozinheiro não ligou. Um bife à portuguesa pedido sem ovo, com batatas pouco fritas e com um pouco de legumes veio com o ovo, sem os legumes e com as batatas às rodelas, como é da praxe, mas muito fritas porque cortadas muito finas. Uns lombos de porco grelhados pedidos só com arroz vieram com batata frita e com salada. Um molho de mostarda para bife pedido não muito espesso vinha grosso que nem béchamel com mostarda de má qualidade.

O mais surrealista é que, perante os protestos, acorreu a dona que, ao menos, reparou em que faltava o saleiro e o pimenteiro. A desgraça foi que se atabalhoou e derramou o pimenteiro no tal ovo a mais!

No fim, pedido de sobremesas. Vieram quando os pratos ainda não tinham sido levantados! Pior ainda, o rapaz, que já devia estar perdido de todo, ainda foi fazer qualquer coisa à cozinha e por isto amontoou no centro da mesa os pratos sujos. E não é que, depois de se chamar a atenção para tal alarvidade, o mesmo se passou outra vez em relação aos cafés e aos pratos de sobremesa!

Que eu sou brincalhão por natureza e que até era capaz de inventar esta história, sabem os meus bons amigos. Mas palavrinha de honra que isto é tudo verdade e se passou hoje, nesta nossa Lisboa, em 2007!

2 Comentários:

Anonymous Jorge escreveu...

Já nem te reconheço... Estás meiguinho demais!
Bem sei que não se pode dizer MERDA num blog decente, mas o teu texto sobre
o almoço podia resumir-se a duas frases:

1. o almoço estava uma merda
2. não volto mais a esta merda.

2/3/07 18:41  
Blogger JVC escreveu...

O comentário anterior é de um do bando dos 4, vítima também desta experiência de hoje.

Depois de escrever esta nota, pensei que a CML, que dá concessões a gente desta, também é responsável.

Imagino um turista que se passeia pelo parque, muito bem arranjado, de que gostou muito, justificadamente, e que chega à hora do almoço. Não associará ele tudo à cidade, diga-se CML, parque e restaurante? A CML pode lavar as mãos?

2/3/07 18:47  

Enviar um comentário

<< Home